A raiz-forte, de nome científico Armoracia rusticana, é bastante apreciada por ser um condimento picante e rico em vitamina C. Porém, a raiz por si mesma não possui muito sabor. Somente após ser cortada ou ralada,  as enzimas presentes nas células danificadas da planta produzem alil-isotiocianato (óleo de mostrada), que possui sabor picante e forte. Dependendo da região, a raiz-forte pode ser chamada por  crem, rábano-bastardo, rábano-de-cavalo, rábano-picante, rábano-rústico, rábano-silvestre, rábano-silvestre-maior, rabão-silvestre, rabão-rústico, rabiça-brava, rabo-de-cavalo ou saramago-maior.

Tanto as raízes como as folhas da raiz-forte possuem nutrientes e propriedades medicinais. Na antiguidade, antes do uso generalizado da pimenta e do piri-piri, a raiz-forte e a mostarda foram as únicas especiarias picantes utilizadas. Mas para se manter o sabor da raiz, é importante que ela seja  imediatamente usada ou  misturada com vinagre após ser cortada ou ralada, caso contrário a raiz escure e perde sabor, tornado-se amarga. Os princípios ativos presentes na raiz-forte são o óleo essencial de mostarda, açúcar, amido, albumina, ácido acético, acetato de cálcio, sulfato de cálcio, lignina, luteína-zeaxantina, fibras, sais minerais, vitaminas C , B e A. Por possuir um alto teor de fibras, a raiz-forte possui ótimas propriedades digestivas e diuréticas. Por isso quem busca emagrecimento pode consumir frequentemente a raiz, além de servir como um termogênico natural, dar a sensação de saciedade, estimular a micção e os fitoquímicos presentes na raiz estimularem várias glândulas do corpo, incluindo os de salivação, sucos gástrico e intestinal.

Graças a ação anti-séptica do seu óleo essencial, a raiz-forte diminui a fermentação intestinal, melhora o estado clinico de pacientes com escrofulose, aumenta a imunidade do organismo e e estimula a atividade ou a produção de glóbulos brancos. A raiz-forte ainda pode auxiliar no tratamento de sinusites, problemas nas gengivas, mau halito, gripes, bronquites, resfriados,  estimular a circulação sanguínea (aliviando dores em articulações e músculos inchados), acelerar o processo de cicatrização, clarear manchas corporais, tratar a caspas e por sua ação antioxidante, prevenir e auxiliar no tratamento de carcinomas.

A raiz-forte é contraindicada durante a gravidez e a lactação, por possuir substâncias abortivas e por passar o gosto picante da raiz para o leite materno. Pessoas com problemas de estômago, intestino e com hipotireoidismo também não devem usar. Se utilizada em excesso, pode causar náusea, queimação, vômito, irritações, vômito e diarreias sanguinolentas.

Referências

– BALBACH, A. As Hortaliças na Medicina Natural – Rábano.
– http://www.plantasquecuram.com.br/ervas/razi-forte.html

Cláudio P. Filla | Laboratory Technician UTP-PR | Químico, escreve sobre o efeito positivo dos alimentos naturais através de suas propriedades e os perigos por trás dos alimentos industrializados. Mas gosta mesmo é de compartilhar alternativas para uma vida mais saudável. Curitibano, ama um pé na terra e outro no mar, mas também a rotina cultural da cidade grande.

Carregar Mais
Carregar Mais Alimentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA *

Veja Também

Existe diferença entre o Cream Cheese e o Requeijão? Qual é a melhor opção?

Ao optarmos pela adição de certos alimentos em nossa rotina alimentar, várias dúvidas pode…