É cada vez mais comum, pela comodidade, praticidade e sabor, uma grande parte da população se habituar a consumir alimentos industrializados como os empanados. Normalmente os empanados possuem sabor de frango, carne, queijo, pizza e muitos outros sabores. Porém poucos sabem como realmente são feitos e que substancias estão presentes nesses alimentos.

Nas prateleiras de frios dos supermercados, os steaks estão sempre muito atrativos, pelo seu preço, sabor e praticidade em ser preparado. Suas embalagens garantem que são preparados com carne de frango ou boi, porém é apenas ilusão ao consumidor.

Em uma embalagem de um empanado, de marca x, encontramos os seguintes ingredientes:

Carne mecanicamente recuperada de frango, água, pele de frango, fécula de mandioca, gordura vegetal hidrogenada, proteína vegetal de soja, farinha de milho, farinha de trigo, estabilizante tripolifosfato de sódio, sal, antioxidante eritorbato de sódio, especiarias naturais (cebola, pimenta, alho, pimenta-branca), suco de limão, aroma natural de queijo, realçador de sabor glutamato monossódico, açúcar e espessante carragena.

É comum vir especificado como “carne mecanicamente processada” ou “carne mecanicamente recuperada” de frango. Isso nada mais é que o reaproveitamento de restos da carne de frango, algumas vezes até partes de ossos e pele que não teriam serventia, após o abate, e assim é processado e feito o preparo de uma pasta contendo traços da carne de frango.

A fécula de mandioca é uma espécie de “amido”, usada principalmente para “engrossar” a pasta formada pela carne processada.

A gordura vegetal hidrogenada é a conhecida gordura trans, responsável por dar aspecto crocante e “sequinho” em muitos alimentos. A gordura hidrogenada é uma gordura vegetal

que foi criada pela indústria para ser uma alternativa à gordura saturada, a do bacon, da linguiça, da picanha etc. Como não existe gordura no mundo vegetal, foi criado um processo de transformação desses óleos vegetais em gordura sólida. Os óleos se transformam em uma pasta preta, com mau cheiro, que precisa ser alvejada para ficar sem cor e desodorizada para ficar sem cheiro. O grande problema desse tipo de gordura, é que por mais que ela deixe tudo crocante, formando uma casquinha “saborosa” nos alimentos após a fritura, ela faz com que os vasos sanguíneos fiquem impedidos de se dilatar, impedindo a passagem sanguínea.

Outro grande problema dos empanados industrializados e diversos alimentos industrializados é a aplicação de conservantes em sua composição. Um exemplo é o uso do tripolifosfato de sódio, conhecido como STPP. É um composto muito utilizado em produtos de limpeza como detergentes, limpadores sanitários e tem ação sequestrante de dureza.  Nos alimentos, o STPP é usado para reter a umidade, conservando sua validade.  Também é usado o eritorbato de sódio como antioxidante e o espessante carragena para manter a estrutura (aparência) do produto.

Um dos maiores vilões dos empanados industrializados é o GMS, conhecido por glutamato monossodico. Está presente em diversos alimentos, o-que-e-glutamato-monossodico-4desde temperos prontos, realçadores de sabor, biscoitos e em especial alimentos congelados.  O GMS é mais do que somente um tempero como o sal e pimenta, ele realça o sabor dos alimentos, fazendo o gosto de carnes processadas e refeições congeladas ficarem melhor e cheirar melhor, as saladas ficarem mais saborosas e comidas enlatadas com gosto menos metálicas.  Quimicamente falando, o GMS é aproximadamente 78% de ácido glutâmico livre, 21% de sódio, e até 1% composto de contaminantes. É uma ideia errada que o glutamato monossódico é um condimento ou um amaciador de carne. Na realidade, ele tem um sabor fraco, além do que, ele apenas engana sua língua, usando um pouco conhecido quinto estado de sabor: umami.

Umami é o gosto do glutamato, que é um saboroso gosto encontrado em muitas comidas japonesas, bacon e também no aditivo alimentar tóxico glutamato monossódico. É por causa do umami que o alimento com GMS tem sabor mais forte, robusto, e geralmente melhor, para muitas pessoas, do que o alimento sem ele. O uso excessivo do GMS, em pessoas sensíveis ou não, pode trazer consequências a saúde como problemas neurológicos.

Não apenas os componentes químicos possuem riscos a saúde, mas também a quantidade de gordura e sódio que é encontrado nos empanados. Trazendo como consequência a obesidade, hipertensão, diabetes e outros problemas relacionados.

Portanto, tenha cuidados ao consumir alimentos industrializados como empanados, chickens e demais congelados. Não estamos recomendando o não uso dos produtos, mas sim um cuidado especial pelos malefícios que eles podem oferecer à saúde quando consumidos excessivamente.

Referências

– TANAMATI AAC et al. Composição centesimal e quantificação de ácidos graxos em steak empanado de frango. Cienc. Tecnol. Aliment., 31: 178-83, 2011.
– http://www.noticiasnaturais.com/2009/10/glutamato-monossodico-gms-o-sabor-que-mata/
– http://jorgeroriz.com.br/godura-hidrogenada-perigo-para-sua-saude/
– http://scsquimico.com.br/stpp.php

Cláudio P. Filla | Laboratory Technician UTP-PR | Químico, escreve sobre o efeito positivo dos alimentos naturais através de suas propriedades e os perigos por trás dos alimentos industrializados. Mas gosta mesmo é de compartilhar alternativas para uma vida mais saudável. Curitibano, ama um pé na terra e outro no mar, mas também a rotina cultural da cidade grande.

Carregar Mais
Carregar Mais Alimentos

1 Comentário

  1. […] já explicado no post anterior, “Perigos do consumo excessivo de empanados industrializados”, a carne processada nada mais é que uma maneira encontrada pelas indústrias para reaproveitar […]

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA *

Veja Também

Existe diferença entre o Cream Cheese e o Requeijão? Qual é a melhor opção?

Ao optarmos pela adição de certos alimentos em nossa rotina alimentar, várias dúvidas pode…