Foto por: M Dreibelbis
Um estudo publicado na revista Science sugere que a infecção por um vírus comum, considerado inofensivo, pode desencadear o desenvolvimento da doença celíaca, ou intolerância ao glúten, proteína presente na farinha de trigo, na cevada e no centeio. Os autores, pesquisadores da Universidade de Chicago e da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh, acreditam que a descoberta pode abrir caminho para a criação de uma vacina para prevenir a doença. “O estudo mostra claramente que um vírus que não é clinicamente sintomático pode prejudicar o sistema imunológico e abrir caminho para uma doença autoimune, especialmente a doença celíaca”, disse Bana Jabri, professora do Centro para Doença Celíaca da Universidade de Chicago. “No entanto, o vírus específico e seus genes, a interação entre ele e o hospedeiro, e o estado de saúde do hospedeiro também são importantes”.

ANÚNCIOS

A doença celíaca é causada por uma resposta imprópria do sistema imunológico ao glúten. Não há cura e o único tratamento efetivo é uma dieta sem farinha de trigo, centeio e cevada. Mesmo em pessoas que não têm a doença, o corpo naturalmente tem dificuldade de digerir o glúten e já costuma usar mais o sistema imunológico do que para outras proteínas. Mas ainda não se sabe exatamente como ocorre a resposta imune inflamatória ao glúten. “Agora precisamos definir com exatidão os fatores virais responsáveis pela indução da resposta autoimune.” A pesquisa também descobriu que pacientes com doença celíaca têm muito mais anticorpos contra os reovírus do que os que não desenvolvem a doença.

Isso sugere que a infecção com reovírus pode deixar uma marca permanente no sistema imunológico e seria dessa forma que ajudaria no desencadeamento da resposta autoimune ao glúten

Fonte: https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/ciencia/2017/04/06/virus-inofensivo-pode-ser-gatilho-da-intolerancia-ao-gluten.htm

Carregar Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Quinino: sua aplicação está muito além dos refrigerantes conhecidos como água tônica.

De gosto amargo e conhecido por suas propriedades antitérmicas, antimaláricas e analgésica…